[ CIENTISTAS RELATAM QUE UM POUCO MAIS DE 3% DA POPULAÇÃO TEM O GENE DO EMPREENDEDORISMO ]

Home / Blog / [ CIENTISTAS RELATAM QUE UM POUCO MAIS DE 3% DA POPULAÇÃO TEM O GENE DO EMPREENDEDORISMO ]

 

Uma pesquisa de laboratório identificou um gene que seria responsável pelo empreendedorismo. Em um teste de laboratório feito pela Universidade de Princenton, nos Estados Unidos, os camundongos que tinham o gene Nr2b duplicado acharam a saída de um labirinto muito mais rápido do que os animais sem a presença dele.

Os pesquisadores dizem que pouco mais de 3% da população mundial tem esse gene desenvolvido. Uma delas é o empreendedor Ricardo Alves que, com 13 anos, já vendia lanches num carrinho de rua cujo aluguel pagava mensalmente.

Aos 18 anos, sua característica de empreendedor fez com que ele enxergasse uma oportunidade de negócio. Alves viu um açougue quase falido à venda e, mesmo sem entender nada de carnes, comprou o açougue, e depois abriu mais seis.

Em 2000, no entanto, os supermercados começaram a montar açougues dentro das lojas e a concorrência fez as vendas despencarem. Foi nessa hora que o DNA de empreendedor de Ricardo Alves encontrou uma saída: ele passou a vender a carne pronta para o consumidor e  criou a maior rede de grelhados do país.

A rede ficou famosa pelos pratos simples, rápidos e baratos, e tem refeições a partir de 13 reais. Mas, como empreendedor nato, ele sabia que não se cresce sozinho.

A consultora de negócios Angelina Stockler explica que o empreendedor deve ter consciência de que não se sabe tudo. Hoje, a rede de grelhados tem 133 franqueados, que são treinados constantemente. Em 2016, ainda quer abrir mais 30 lojas.

Ele também já comprou outra marca de grelhados e fundiu a operação com outras três empresas. Hoje, Ricardo Alves comanda o quarto maior grupo de alimentação do país, com 340 lojas.

Para quem não nasceu com o gene empreendedor, resposta é que é possível desenvolver essa característica. Empreender é uma evolução contínua. É preciso observar, buscar sempre conhecimento e formar equipe para suprir as próprias deficiências.

Fonte: Revista PME

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *