[ 3 QUESTÕES PARA SE PERGUNTAR ANTES DE DEIXAR O EMPREGO ]

Deixar o emprego. Não deixar o emprego. Partir. Ficar. A estratégia de contratação da força de trabalho atual está mais polarizada do que nunca. Mesmo que muitas empresas se esforcem para desenvolver culturas de trabalho de apoio que atraiam funcionários valiosos, as novas contratações são relutantes em mostrar lealdade para uma empresa por muito tempo.

Segundo os dados mais recentes de U.S. Bureau of Labor Statistics, a partir de setembro de 2016, o tempo mediano que os trabalhadores assalariados permaneceram com seus empregadores atuais foi de 4.6 anos. Para os funcionários jovens, com idades de 25 a 34 anos, é de 2.8 anos.

“As coisas mudaram”, diz Jacquelyn Smith, colaboradora da Forbes. “Como a longevidade de trabalho se torna um fator do passado, os empregadores e recrutadores estão começando a ter uma visão diferente sobre alternância de trabalho.”.

O estigma de apresentar um currículo diversificado, quase transitório, pode não apertar as chances em assegurar um emprego, mas como se negocia este caminho pode fazer uma diferença enorme em uma carreira. Na seqüência estão as 3 questões para se perguntar antes de abandonar o próprio trabalho.

1 – Os problemas têm solução?

Para os funcionários que não estão envolvidos ou se sentem desvalorizados, poderia ser o resultado de uma incompatibilidade de cultura de trabalho, ou pode ser que o gerente simplesmente precise de treinamento. “Quando uma situação de trabalho se torna difícil ou muito desafiadora, é mais fácil mudar de emprego do que resolver o problema”, diz Lou Adler, CEO de The Adler Group. “Como um resultado, as pessoas fizeram do rodízio de emprego aceitável”.

Ser distraído pelos desafios do dia a dia torna difícil reconhecer o potencial de longo termo de um trabalho. Nenhuma empresa é perfeita. É possível descobrir que estes problemas existem em todas as empresas, mas apenas depois que desistiu do que poderia ter sido um bom emprego a longo prazo.

2 – A estabilidade é valorizada?

Apesar dos esforços para separar a vida profissional e pessoal, a estabilidade de emprego influencia os objetivos de longo prazo das pessoas. Por exemplo, ao decidir comprar ou refinanciar a própria casa, o administrador de empréstimo considerará o histórico de trabalho do interessado.

Uma experiência dotada com limites de 2 ou 4 anos com empregadores diferentes não prediz bem para alguém que precisa de um empréstimo de 30 anos. Se há um fator que os empregadores odeiam, são os custos de rotatividade. Um estudo recente de Center for American Progress descobriu que o custo de perder um executivo é de até 213 do salário do empregado.

Isso motiva muitos empregadores a buscar funcionários que permanecerão com a empresa por um longo tempo. E quando as novas oportunidades surgem, são muitas vezes os empregados de longo termo que se destacam.

3 – Está seguindo em frente ou apenas indo e vindo?

Há uma diferença entre seguir em frente para ganhar experiência, conhecimento, e habilidades avançadas, e simplesmente ir e vir. O empregado que reflete e que teve vários trabalhos adquiriu um conjunto de habilidade única e conhecimento de várias operações, recursos, e experiência de estratégia que se prova útil como uma nova contratação.

Estas contratações geram oportunidades de networking interessantes e conhecimento de treinamento. Mas com a experiência vem uma expectativa maior para produzir resultados rápidos. Em contraste, se o próprio histórico de trabalho é composto de movimentos laterais, é possível ser confundido com alguém que simplesmente sai quando as coisas ficam difíceis.

“Uma coisa é seguir em frente, se é claro que a empresa está brigando, mas um empregador potencial provavelmente deseja ver algum histórico de lealdade e a capacidade de ser parte da solução quando as coisas ficam difíceis”, diz Tracy Cashman, sênior VIP e sócia de Winterwyman Executive Search.

O próprio histórico de trabalho irá ou destacar a experiência que tem ou deixar a pessoa a defendendo para potenciais empregadores. Como o debate entre a lealdade da empresa e alternância de trabalho segue, é necessário encontrar a estratégia correta para si. Por se questionar sobre ambiente de trabalho, estabilidade, e carreira, a pessoa estará mais consciente de possíveis riscos e melhor preparada para navegar em qualquer direção que a própria carreira levar.

Fonte: Jornal do Empreendedor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.